Entre em contato conosco

Basquete

Playoffs da NBA: semifinais da Conferência Leste

Published

em

playoffs NBA

Duas séries distintas decidiram os times que farão a final da Conferência Leste da NBA. Heat e Celtics se enfrentam na decisão na bolha a partir desta noite

Compartilhe esta publicação

A NBA está ao fim. Com uma temporada marcada por protestos e algumas mudanças em decorrência da pandemia do novo Coronavírus, a bolha criada para o restante da temporada chega a partir desta noite a fase das finais de Conferencia. Pelo lado Oeste da liga, ainda há a disputa do jogo 7 das semis entre Clippers e Nuggets. Mas no Leste já tem final.

Após ser eliminado na segunda rodada dos playoffs da temporada passada, o maior vencedor da NBA, Boston Celtics, está de volta à final da conferência depois de derrotar o atual campeão Toronto em uma série equilibradíssima decidida em 7 jogos. Na outra semifinal uma grande surpresa: o Miami Heat passou por cima sem tomar o menor conhecimento do grande favorito da Conferencia Milwaukee Bucks e venceu por 4 a 1. Chega mais para detalhar o que melhor rolou nessas disputas.

Boston Celtics 4 x 3 Toronto Raptors

Que o equilíbrio seria a base dessa disputa ninguém duvidava. Segundo e terceiro colocados na Conferência, Toronto e Celtics, respectivamente, chegaram as semifinais com conjuntos bastante parecidos. Sem nenhum craque nível LeBron e Kawhy, do Oeste, mas com dois grandes jogadores de cada lado e rodeados por bons coadjuvantes, as equipes fizeram um grande duelo pela vaga na decisão.

Com todos as partidas sendo disputadas no complexo da Disney em Orlando o duelo foi em quadra neutra. Porém, se fossemos imaginar o confronto com os mandos normais, esta foi uma série que os visitantes se deram melhor. No formato natural, Boston levaria os 4 jogos no Canadá e Toronto os 3 em Boston.

Mas vamos falar de bola ao alto. Com um nível de intensidade absurdo do quinteto titular, aliado inconstância de Pascal Siakam e a volta ainda cambaleada de Kyle Lowry de contusão, o time do Boston Celtics começou com tudo a série e abriu logo 2 a 0 sem muita resistência dos atuais campeões (112 a 94 na primeira e 102 a 99 na segunda partida).

O terceiro jogo veio para mudar a história do confronto. Os celtas tiveram a chance de abrir 3 a 0. Com a partida empatada em 101, a “ultima posse” de bola estava com o Boston. Grande jogada de Kemba Walker fugindo da dobra de Marc Gasol e Fred VanVleet, invadindo o garrafão e dando uma assistência magistral de costas para Daniel Theiss cravar. 103 a 101 e apenas 0.5 no relógio.

Acabou né amigos?! Que nada. Quem não se lembra da bola de três salvadora de Kawhy na temporada passada contra os Sixers no jogo 7? Desta vez a responsabilidade ficou para OG Anunoby. Nem o gigante de 2,26m Tacko Fall conseguiu bloquear o lateral de Lowry que encontrou o camisa 3, que só teve tempo de pegar e arremessar da zona morta. BINGO! 104 103 e série muito renovada.

Aproveitando o bom momento do jogo 3, Toronto foi pra cima e empatou a semi com um placar tranquilo de 100 a 93. A série estava mais do que nunca em aberto. Mas com uma defesa muito agressiva, que não deu chances ao quinteto titular dos Raptors (apenas 45 pontos na partida e com Marc Gasol zerando a dupla Siakam e Lowry com 10 pontos cada) e os Celtics doutrinaram por 111 a 89.

Com o match point contra, não havia alternativas aos atuais campeões a não ser jogar no limite. E esse limite foi posto à prova na sexta partida. Depois de duas prorrogações, desgaste imenso de ambos os times, o Norte saiu vitorioso e levou a decisão para o jogo 7. O placar de 125 a 122 já deu sinais do cansaço das duas equipes, que mesmo tendo passado com facilidade na primeira rodada, sentiram o peso da disputa acirrada no confronto direto.

O jogo decisivo foi na mesma intensidade e mostrou os mesmos problemas de cansaço e esgotamento do jogo anterior. Boston mais inteiro, saiu vencedor, 92 a 87, vaga garantida para a final e o sonho de encerrar o jejum de títulos na liga que perdura desde 2008.

Miami Heat 4 x 1 Milwaukee Bucks

Eu tenho certeza que a cada 10 amantes do basquete que se fossem perguntados qual a aposta para essa série, 9 responderiam Bucks em no máximo 5 jogos. Mesmo com Jimmy Butler voando na bolha e nos playoffs. Mesmo com Miami ser o time mais coeso desde a volta. Do outro lado tinha o monstro grego Giannis Antetokounmpo, favorito ao prêmio de MVP da temporada e o time com a melhor campanha da regular season.

Mas o basquete não é vencido de véspera, é decidido na quadra. E na quadra tivemos um show do time da Flórida. Sem dar a menor chance ao elenco dos Bucks e ignorando por completo a sempre grande atuação de imposição de Giannis, o Heat começou a série on fire e abriu logo 3 a 0 (placares de 115 a 104, 116 a 114, 115 a 100).

O jogo 4 começou indicando que realmente seria o último da série. Com apenas 11 minutos, o craque grego Antetokounmpo sofreu uma entorse e ficou de fora. Tudo se encaminhava para o fim do sonho e uma varrida histórica. Mas o elenco de Milwaukee resolveu dar as caras. Muito criticado por deixarem sempre na mão de Giannis o poder de decisão da equipe, Khris Midleton, Eric Bledsoe e Brook Lopez assumiram o controle e fizeram o que se parecia um milagre e renasceram das cinzas para vitória precisando de uma prorrogação. O placar de 118 a 115 deu um certo alívio aos favoritos, mas só adiou a decepção.

Novamente com a concentração no limite, o Heat voltou a dominar. Entretanto, mais uma grande exibição dos coadjuvantes de Milwaukee, porém não o suficiente para impedir que o embalado Miami vencesse com tranquilidade mais uma vez (103 a 94) e definisse a série em 4 x 1.

Na grande final que começa a ser disputada na noite desta terça, às 19:30, o Boston Celtics leva uma pequena vantagem por ter uma defesa mais sólida e jogadores mais decisivos. Mas nada me espantaria de mais uma zebra e Miami doutrinando de novo. Segue sendo o time com menos jogos nos playoffs e vem dando mostras de que vem com muito foco para levar o título.

De qualquer forma, quem passar terá muito trabalho para vencer a liga, mas chegará com muita moral pelo que vieram apresentando até aqui.

Compartilhe esta publicação